Voz da Póvoa
 
...

Só Acontece aos Outros, Até Que Um Dia…

Só Acontece aos Outros, Até Que Um Dia…

4 Julho 2020 | 15:31

Até que um dia somos a lágrima ou o desespero. Meteram-nos dentro de casa e achamos que até deu jeito para conhecer melhor os seus cantos, encantos e a família. Depois há sempre um livro que aguarda na estante por uma leitura e ao fim de tantos anos ficamos a conhecer a história que só o autor sabia.

Ultrapassado o Estado de Emergência passamos a Estado de Calamidade. E houve logo quem viesse para a rua a pensar que o vírus tinha emigrado para outro planeta. Isto porque não percebeu, que tínhamos deixado a Emergência e entrado em Calamidade. Não percebeu que Emergência é evitar acontecer e, Calamidade é entrar no acontecido. Emergência é os bombeiros chegarem a tempo e apagar o fogo. Calamidade é olhar toda a destruição causada pelas chamas.
 
Quer melhor? Emergência é evitar o ataque cardíaco, Calamidade é viver com as suas consequências, quase sempre limitativas.

A nossa distracção, tantas vezes assumida pela estupidez, tem causado distúrbios graves no controlo da pandemia. E não vale a pena olhar para as terras a pensar no chico espertismo de cada um.

Saiba que a Direcção-Geral da Saúde revelou, esta quarta-feira, que desde o início da pandemia, há a registar 1.579 mortos por COVID-19, 42.454 infetados e 27.798 recuperados.
 
Nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico, há a lamentar mais 3 óbitos, mais 313 infetados e a aplaudir os responsáveis por mais 293 recuperados.

Se o olhar se estender por toda a terra, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de meio milhões de pessoas perderam a vida e há cerca de dez milhões e meio de pessoas infectadas em todo o mundo. Os números não vão parar por aqui, aliás a tendência é aumentar.

Agora a Póvoa de Varzim e Vila do Conde, depois de ter passado com uma certa distinção por outros estados (Emergência e Calamidade), entrou, hoje, em Situação de Alerta, tal como a generalidade do País. Há algumas excepções em freguesias lisboetas e também em algumas ilhas Açorianas.

 As multas são pesadas para quem não cumprir determinadas regras, que foram aprovadas em Conselho de Ministros, que passamos a citar:

 - Confinamento obrigatório domiciliário ou hospitalar para pessoas infetadas com covid-19 ou sujeitas a vigilância ativa.

- Mantêm-se as regras de distanciamento físico, uso de máscara, lotação, horários e higienização.

- Ajuntamentos limitados a 20 pessoas.

- Proibição de consumo de álcool na via pública.

Há multas entre 100 e 500 euros para pessoas singulares e de 1000 a 5000 euros para entidades colectivas.
 
Só acontece aos outros, ate que um dia…

partilhar Facebook
295/ccORONAVIRUS.jpg
16/COVID_-_POVOA.jpg
16/pesquisador.jpg
295/diarios_de_uma_pandemia[.jpg
Banner Publicitário