Voz da Póvoa
 
...

Beneméritos e Benfeitores da Misericórdia de Vila do Conde Perpetuados

Beneméritos e Benfeitores da Misericórdia de Vila do Conde Perpetuados

Vila do Conde | 18 Junho 2021

A Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde homenageou no dia 11 de Junho, de forma anónima todos os Beneméritos e Benfeitores, que ao longo de mais de 500 anos tornaram possíveis as actividades Assistencial e de Saúde da instituição, financiando-as através de doações e emprestando o seu tempo e saber, cumprindo e fazendo cumprir as 14 Obras de Misericórdia. A sua memória foi perpetuada com a inauguração de uma obra monumental, em bronze, do escultor Eduardo Bompastor, na rua Rainha Dona Leonor, frente ao edifício sede da instituição.

A obra foi benzida pelo arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, que destacou a generosidade dos Benfeitores e lembrou que “o monumento deve ser um desafio aos irmãos da Santa Casa e a todos vilacondenses, para que sintam um apelo no sentido de ajudar quem mais precisa. Ajudando, tornaremos este mundo mais fraterno e igual”.

A sessão serviu para homenagear também os elementos que pertenceram aos Órgãos Sociais entre 1984 e 2020 e cessaram funções, tendo como provedor o Engenheiro Arlindo Maia, que ao fim de 37 anos deixou uma obra a todos títulos, notável e merecedora de reconhecimento. Foi também apresentado o segundo volume do livro “SCMVC- Um Legado -1975/2015”.

Para o provedor Rui Maia, é um dia marcante porque “os Benfeitores e Beneméritos são pessoas que dão o seu saber, o seu tempo, os seus bens, que ajudam as instituições a auxiliar o próximo. Essa é uma das nossas missões e felizmente, a Misericórdia de Vila do Conde tem Muitos amigos”.

E lembrou que o apoio do Estado é muito recente: “Durante mais de 400 anos, eram as pessoas as almas caritativas, que ajudavam a assistência social no país. E essa assistência social, por parte dos particulares e das empresas, continua a ser uma necessidade para todas porque o Estado não consegue cobrir as necessidades do país. Infelizmente, haverá sempre lugar para as instituições com apoio social. Vão mudando os motivos, mas há sempre essa necessidade. São diferentes de há 50 anos atrás, mas continuamos a cumprir as mesmas obras de misericórdia”.
 
Para o escultor Eduardo Bompastor, “é um privilégio poder partilhar os últimos 13 anos que durou a executar esta peça. Convidado pela inspiração de um grande homem, que acreditou que podemos fazer coisas que valem a pena. Deixo à vossa sensibilidade e humildade, a interpretação desta obra, apenas espero que se retratem nela. Eu tentei inspirar-me na história de um povo que somos todos nós, para vos poder dar um pouco do passado, do presente e essencialmente do futuro. Sou apenas uma imagem que vem da infância, a obra são muitas pessoas, as nossas raízes”.

As cerimónias, que contaram com a presença da Presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, e da Vereadora, Dália Vieira, continuaram na igreja Matriz com uma missa presidida por D. Jorge Ortiga.

partilhar Facebook
Banner Publicitário