Voz da Póvoa
 
...

Vereadores do PS Aprovam Adjudicação de Obras e Apoios do Executivo

Vereadores do PS Aprovam Adjudicação de Obras e Apoios do Executivo

Local | 20 Outubro 2020

Numa análise à reunião do executivo da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Miguel Fernandes, Vereador do Partido Socialista, apresenta as razões que levaram à aprovação por unanimidade de todas as propostas que estavam em cima da mesa: “Em relação ao projecto de construção de 150 fogos a custo controlado, o júri escolheu entre 20 propostas e o que posso dizer é que a escolha do projecto vencedor me pareceu uma boa solução. O importante é avançarem estes projectos e não ficarem nas intenções. Já por si demoram bastante tempo a serem executados. Terminar esta fase é bom sinal. Depois do concurso esperemos que a empreitada avance. A construção dos apartamentos e a perspectiva de melhoria de toda aquela zona é quanto a nós positiva”.

 Em relação à retirada de amianto das escolas o vereador socialista reconhece que, “é uma intervenção necessário, reservando ainda a Escola de Rates e Cego do Maio, julgo que para breve, até porque o Governo da República já tomou medidas nesse sentido. Acabar o amianto nas escolas é visto por nós, PS, com satisfação”.

E acrescenta: “Há a salientar o concurso para a Via B, uma obra que faz muita falta. O Norte da cidade fica sempre com muito constrangimento para o trânsito. Congratulamo-nos com essa obra vir a concurso e poder avançar. Outra obra a concurso que aprovamos e que tem a ver com a reconversão da antiga Praça de Touros, a nossa posição teria sido no sentido de se ter feito primeiro um concurso de ideias e depois, de acordo com um júri e a sociedade poveira, ter escolhido uma solução para aquele espaço e para a cidade. A opção não foi essa. Aquilo que nós sempre defendemos era um pavilhão multiusos, que é o que vai ser feito, neste momento está em fase de concurso. Embora não tivessem seguido o rumo que achávamos melhor, não pretendemos criar obstáculos. As soluções encontradas por vezes não são as que escolheríamos para lá chegar mas estas são as soluções que foram tomadas e acabamos por defender a continuidade do avançar destes projectos, que podem trazer mais gente à cidade e melhor qualidade de vida para os poveiros”.

Em relação ao corte de subsídio a atribuir à Juvenorte, por não cumprimento das regras acordadas, Miguel Fernandes concorda: “Achei ardilosa a forma como foi encontrada a decisão, mas se por ventura as associações, em negociação com a Câmara e a Comissão de Festas, aceitaram as condições naturalmente devem respeitá-las. Se alguém resolve não cumprir o que foi acordado tem que acatar as consequências. As associações decidiram a não atribuição do subsídio ao Bairro Norte. Quem cumpre deve ser premiado, quem não cumpre tem uma contrapartida negativa. Vivemos numa sociedade em que todos temos que respeitar as regras”.

 

partilhar Facebook
447/IMG_7607.jpg
447/IMG_7620.jpg
Banner Publicitário