Voz da Póvoa
 
...

Covid-19 Obriga a Novas Regras Nesta Época Balnear

Covid-19 Obriga a Novas Regras Nesta Época Balnear

Local | 1951 | 28 Abril 2020

Município, Concessionários de Praia e Nadadores-Salvadores Estão Apreensivos

No Verão deste ano deverá haver controlo no acesso às praias e uma lotação máxima de banhistas, entre outras medidas. O início da época balnear está previsto para o dia 1 de Junho, sendo que na Póvoa de Varzim decorre de 15 de Junho a 15 de Setembro, mas a Direcção-Geral de Saúde e a Agência Portuguesa do Ambiente estão ainda a elaborar um manual de procedimentos para a nova época balnear. Pouco se sabe ainda, mas é quase certo que este Verão será diferente para todos.

As novas regras estão a ser definidas pela Agência Portuguesa do Ambiente, Direcção-Geral da Saúde e Autoridade Marítima, em conjunto com outras organizações, nomeadamente com a Associação Bandeira Azul. Em entrevista à Agência Lusa, a coordenadora nacional, Catarina Gonçalves, deixou escapar algumas medidas, entre elas a determinação de uma lotação máxima para cada praia, através de um cálculo a ser feito em função das áreas concessionadas. Já para as zonas de praia não concessionadas ou não vigiadas, ir a banhos poderá ser interdito. Por fim, para as barracas, para-ventos e chapéus de sol deverá existir uma distância mínima, que por enquanto ainda é uma incógnita.

Neste momento as maiores dúvidas residem na operacionalização de um plano, tendo em conta a extensão da costa portuguesa e as especificidades de cada zona balnear. Assegurar a distância entre banhistas dentro e fora de água será tarefa complicada, mesmo nas frentes urbanas. Nesse sentido, Municípios, Concessionários e Associações de Nadadores-Salvadores aguardam com alguma apreensão as regras que vão constar do manual de procedimentos que deverá estar concluído até 6 de Maio.

Sendo a Póvoa de Varzim uma estância balnear por excelência e o turismo um dos sectores mais importantes para a economia local, o presidente da Câmara Municipal está preocupado com a indefinição que subsiste quanto à nova época balnear e ao usufruto das praias do concelho: “O acesso às praias é algo que deve ser atempadamente determinado pelas entidades com responsabilidades nesta área, até porque está directamente relacionado com a vida económica da nossa cidade, nomeadamente com os concessionários e a necessária contratação de nadadores-salvadores e de gente para trabalhar nos diversos apoios de praia. Tudo isto deve ser programado com antecedência e não apenas a 15 de Junho, quando normalmente se inicia a época balnear na Póvoa de Varzim. Portanto, compete ao Governo decidir sobre essa matéria”.

Aires Pereira acrescenta: “Infelizmente, temos assistido a uma certo aligeirar de responsabilidades por parte do Governo, que teima em empurrar muitas das suas competências para cima das autarquias, mas em relação a esta matéria não há aligeiramento possível porque é da responsabilidade do Governo, do ministro do Ambiente e da Agência Portuguesa do Ambiente, a elaboração dos planos e dos editais que irão determinar a ocupação da praia, na certeza que estamos perante espaços abertos e difíceis de controlar”.

A questão da vigilância e da segurança, por forma a evitar os ajuntamentos de pessoas, é uma preocupação para o autarca poveiro. “Terá, necessariamente, que haver um grande reforço ao nível do policiamento, através dos agentes da Polícia Marítima, dos Fuzileiros, para que as pessoas respeitem aquilo que serão as determinações para a ocupação das zonas de praia. Conhecemos bem a Póvoa de Varzim, sabemos como são os fins-de-semana de bom tempo em Julho e Agosto, quando muitas vezes tem que se chegar cedo para arranjar espaço para pôr o nosso para-ventos e o nosso chapéu de sol. Por isso, é premente que sejam tomadas medidas rapidamente para haver alguma ordem nas praias, caso contrário teremos o caos instalado”, alertou Aires Pereira.

Concessionários de Praia Querem Ser Parte da Solução

Apreensivos, mas determinados, os concessionários das praias da Póvoa de Varzim aguardam com cautela as determinações do Governo e da Direcção-Geral da Saúde para a época balnear. Fátima Cunha, presidente da Associação de Concessionários das Praias da Póvoa de Varzim, referiu à nossa reportagem: “Existe plena consciência que teremos pela frente um Verão atípico, fruto da pandemia que enfrentamos, e aguardamos que o Governo e a Direcção-Geral da Saúde determinem o manual de procedimentos e as regras que vão imperar este ano. Lamentavelmente, a Federação Portuguesa de Concessionários de Praia, da qual fazemos parte, ainda não participou em nenhuma reunião, por forma a poder dar os seus contributos, mas continuamos disponíveis para ser parte da solução e nunca do problema. É importante salientar que são os concessionários que asseguram a vigilância das praias e suportam as despesas inerentes à segurança dos banhistas, através da contratação dos nadadores-salvadores e dos meios que integram o Plano Integrado de Assistência a Banhistas (PIAB)”.

Estando a ser gizado pelas autoridades um plano para toda a costa portuguesa, mesmo devendo ter em linha de conta as especificidades das praias da Póvoa de Varzim, procuramos saber qual é a abertura dos concessionários para as mudanças que deverão ocorrer nesta época balnear, nomeadamente o distanciamento necessário para salvaguardar a segurança dos banhistas. “Garantidamente, e em estreita cooperação e articulação com a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, os concessionários vão estar preparados para se adaptarem a esta nova realidade, cumprindo com as regras que vierem a ser definidas pelas entidades competentes. Temos consciência que teremos de nos reinventar para manter as nossas concessões e contribuir para que a época balnear decorra dentro das expectativas possíveis face à actual pandemia”, reforçou.

Conhecida e apelidada de ‘Algarve do Norte’ e ‘Coração da Costa Verde’, a Póvoa de Varzim é destino de férias para muitos veraneantes. Presumivelmente, sem a habitual afluência de turistas estrangeiros, Fátima Cunha deixa o apelo para que se faça férias cá dentro. “Somos o ex-libris da zona norte e esperamos que os veraneantes continuem a procurar as nossas praias. Na qualidade de presidente da associação, tenho de defender os interesses dos concessionários, procurando encontrar o melhor equilíbrio entre o peso económico que gravita em torno desta actividade balnear e a segurança das pessoas que, no meu entender, é a principal prioridade neste momento”, concluiu.

Associação ‘Os Delfins’ Alerta Para a Falta de Nadadores-Salvadores

A Associação de Nadadores Salvadores ‘Os Delfins’ pretende realizar três cursos (intensivos), em simultâneo, para formar nadadores-salvadores em número suficiente para assegurar a vigilância e a segurança de quem vai a banhos. Esta intenção foi já transmitida à Câmara Municipal da Póvoa de Varzim no sentido de, através de um regime de excepção, poder disponibilizar as piscinas municipais para a realização destes cursos, garantindo a associação todas as condições necessárias de segurança.

“Apesar da Covid-19, 62 nadadores-salvadores já demonstraram disponibilidade para trabalhar nas praias, mas é um número manifestamente insuficiente para os dois concelhos. É preciso formar mais nadadores-salvadores, um número global a rondar os 150 elementos para a Póvoa de Varzim e Vila do Conde, com cerca de 60 concessões e seis quilómetros de praia vigiada. Por isso, é nossa intenção, através de um regime de excepção e com a devida autorização da Delegação de Saúde, realizar em simultâneo três cursos intensivos, para formar os nadadores-salvadores necessários para as praias, a exemplo do que vai acontecer em Matosinhos. Assim, lançamos o repto aos interessados para que contactem ‘Os Delfins’ e procedam à sua inscrição”, referiu Carlos Ferreira.


Leia a notícia na íntegra na edição impressa

partilhar Facebook
343/Praia-RS9_0037_.jpg
343/Praia-2.jpg
Banner Publicitário