Voz da Póvoa
 
...

Experiências no Âmbito da Sustentabilidade Entram no Eixo Atlântico

Experiências no Âmbito da Sustentabilidade Entram no Eixo Atlântico

Geral | 4 Novembro 2021

O Cine-Teatro Garrett foi o palco escolhido para a realização no dia 3 de Novembro, do 5º Seminário de Intercâmbio de Experiências no âmbito da Sustentabilidade, organizado pelo Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular – uma rede de cooperação entre 39 concelhos nas regiões da Galiza e Norte de Portugal, da qual o Município da Póvoa de Varzim faz parte.

O evento que se centraliza no desenvolvimento económico, social, cultural, tecnológico, ambiental, regional e local, contou com a presença do Secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoán Vázquez Mao, e do Vice-Presidente da Câmara Municipal, Luís Diamantino, que sublinhou a importância de “Pensar Global e Agir Local”.

Para a Vereadora do Ambiente, Sílvia Costa, o Município da Póvoa de Varzim pretende assumir-se “como uma cidade sustentável, energeticamente eficiente, neutra em carbono e proactiva na prevenção e mitigação dos efeitos das alterações climáticas”.

A recolha selectiva porta-a-porta, assim como a recolha selectiva de resíduos verdes, os projetos Restauração 5 Estrelas, Embrulha, Horta à Porta, Reciclar para Ganhar, +Agricultura +Responsabilidade +Sustentabilidade, Podres de Saber e Geração +, são projectos que a autarquia poveira tem desenvolvido e colocado em prática.

Segundo a vereadora do Ambiente, o Município pretende situar-se abaixo de 2% do volume de resíduos a depositar em aterro: “As empresas têm de se comprometer com boas práticas de sustentabilidade, numa economia que se pretende circular”.

Como explicou Xoán Vazquez Mao, secretário-geral do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, que cumpre 30 anos de existência, “precisamos ser inovadores ao enfrentar qualquer desafio”. A sustentabilidade é uma obrigação por isso definiu as seguintes prioridades: “sustentabilidade, economia, política social, inovação e política urbana”.
 
Para garantir as chamadas cidades dos 15 minutos, onde se pretende a maior proximidade entre os cidadãos e os serviços, assim como o aumento da mobilidade pedonal, impõe-se, ao mesmo tempo, melhorar a rede de transportes públicos, de forma a diminuir o tráfego de veículos próprios, daí resulta uma melhoria da qualidade do ar, a consolidação da mobilidade activa, entre outros benefícios.

O Eixo Atlântico deu a conhecer neste seminário o seu projecto de resíduos da Agenda Urbana, um instrumento direccionado para tornar as cidades pólos de crescimento inteligente e sustentável, no âmbito de uma estratégia europeia. Para os membros do Eixo Atlântico, esta associação luso-espanhola deve ser condutora do esforço colectivo regional, potenciando as mais-valias que representa o quadro europeu de cooperação entre as administrações públicas locais. No entanto, como não há dois municípios iguais, os valores de referência devem ajustar-se ao respectivo plano regulador, sendo que a sustentabilidade a todos os níveis é o grande objectivo.

partilhar Facebook
Banner Publicitário