Voz da Póvoa
 
...

Por Amor a Vida de David Leite se Alonga

Por Amor a Vida de David Leite se Alonga

Cultura | 7 Dezembro 2021

Veio da infância uma voz poética “na minha escola primária em Regufe, a turma era mista. Recordo que escrevi umas palavrinhas a rimar dedicadas a uma menina e ofereci-lhe o poema. Ela não gostou porque falava nas suas mamoquinhas e mostrou à professora. Fiquei de castigo numa salinha escura. Na altura, íamos almoçar e voltávamos para a escola, como não apareci em casa, a minha avó perguntou por mim a um aluno vizinho. Dirigiu-se à escola e bateu à porta, e pelo bater, depois pela voz, confirmei que era a minha avó a perguntar por mim. A professora bem quis explicar, mas a minha avó ameaçou-a com a faca de matar porcos que trazia escondida debaixo do avental. Libertado meti-me imediatamente debaixo da saia da minha avó. O certo é que passei para a primeira fila e comecei a ser bem tratado pela professora. Quando o meu pai me tirou na terceira classe para o ajudar no campo, ela disse-lhe que eu aprendia muito bem e deveria deixar-me continuar na escola, mas a miséria falava mais alto”, contou David Leite enquanto almoçava à mesa do restaurante Marinheiro três dias antes de, no mesmo local, apresentar o seu novo livro ‘Por Amor’ e festejar os 91 anos, no dia 15 de Novembro.
 
Os sonhos para David Leite são intermináveis, tal como os amigos que foi conhecendo e guardando no coração, uns já partiram, outros ainda preguiçam um abraço de cada vez que a vida os tem próximos. Pela família soube sempre construir a união e a vontade de felicidade. A mulher Maria é o seu poema vivo, mas em cada folha de ‘Por Amor’ acendeu na noite novas madrugadas e rimou palavras em verso para a família, em dedicatórias a um sem número de amigos, associações. Contando estórias da história, tradições poveiras, contadas, vividas, cantadas, mas também da sua vida, com a mestria natural do poeta.
  
Ao convite do empresário e poeta carpinteiro - para comungarem da sua dupla felicidade, aniversário e livro - acederam entre tantas outras personalidades, o Vice-presidente de Câmara, Luís Diamantino; o Presidente da Assembleia Municipal, Afonso Pinhão Ferreira; o actual presidente da Câmara Municipal, Aires Pereira, e os seus antecessores, o médico Macedo Vieira e o professor Manuel Vaz, que também assumiu a autoria do prefácio.
 
O livro ‘Por Amor tem a chancela e inaugura a Tipografia Poveira, que tem na forja outros projectos, onde se inclui um livro de banda desenhada para crianças intitulado ‘Tarrotes’, que abordará a história do Varzim SC e ‘1915’ a data de nascimento do clube poveiro, para apresentar no próximo ano, revelou Lopes de Castro.

Na apresentação do livro, Manuel Vaz, realçou a capacidade poética de David Leite, mesmo limitado à 3ª classe da escola primária, “é formado e doutorado pela vida. É um homem que pensou na família, na sociedade, e em todos os outros. É também uma pessoa ligada ao associativismo, foi durante sete anos dirigente do Varzim, num período muito difícil para o clube. Quanto ao livro tudo o que tinha para dizer está no prefácio. Leiam o livro”.

Isaque Ferreira acompanhado à guitarra por José Peixoto deu voz aos poemas Por Amor, numa viagem pela criação poética de David Leite.

No final, antes de cantar os parabéns, cortar o bolo e abrir o champanhe, a filha Maria José «a Zeza» falou do aniversariante: “Tem 4 Filhos, 7 netos, uma bisneta, 53 apartamentos, 6 livros, outro a caminho e 91 anos. Isto era um bom começo para falar do meu pai, da obra feita, do quanto nos orgulha e do exemplo que é para todos nós. Mas quero falar daquilo que comanda a vida do meu pai, os sonhos. Tem 91 anos e continua a sonhar, mas o fascinante é a capacidade que ele tem de concretizar os seus sonhos. Pegando numa frase que Fernando Pessoa escreveu no seu livro A Mensagem, num poema que dedicou ao Infante D. Henrique: Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Eu, por atrevimento, alteraria esta frase para: Deus quer, o David sonha e a obra nasce”.

Para Zeza “é a bravura, a determinação, a força, a capacidade de concretizar sonhos que faz do meu pai esta força da natureza que todos nós conhecemos. Seria aceitável que ele com 91 anos, estivesse satisfeito com tudo o que já alcançou, conformado, mas esse não seria o David Leite. O meu pai é conquista, o meu pai é imparável. E é este amor pela vida, esta paixão que coloca em tudo o que faz, que o torna capaz de sonhar e de concretizar. É por isso, um homem único e interminável. Obrigado por nos ensinares que é no sonho que tudo começa”     

Por: José Peixoto

partilhar Facebook
Banner Publicitário