Reportagem

Rusga do Bairro da Matriz

Rusga-da-Matriz

No bairro mais antigo da cidade, nasceu em 1985 a Associação Cultural e Recreativa da Matriz. Os naturais do bairro dedicam-se exemplarmente, de uma forma bairrista, mas sadia, a apoiar as diversas iniciativas promovidas pela associação. Orgulhosos do vermelho e branco das suas cores abraçam as festividades do S. Pedro com amor genuíno e até um certo romantismo.
linha

Rusga do Bairro de Belém

Rusga-de-Belém

O mais pequeno bairro da cidade apresenta-se em grande em mais uma festa dedicada ao S. Pedro Pescador. A Associação Desportiva e Recreativa Académico de Belém juntou 20 jovens pares na rusga sénior e 16 na ruga juvenil. Os primeiros ensaiaram quatro marchas, orientadas por Miguel Cancela e Mena Cancela. Para a rusga infantil/juvenil foram ensaiadas duas marchas por Andreia Soares.
linha

Rusga do Bairro Norte

Rusga-do-Norte

O Bairro Norte aguarda com redobradas expectativas o início das Festas de S. Pedro. Na grande Noitada, as rusgas infantil e sénior, com 24 pares cada, vão percorrer a cidade, enquanto nas ruas do bairro há fogueiras, animação, sardinhas assadas, fêveras e vinho para os visitantes.
linha

Rusga do Bairro da Mariadeira

Rusga-da-Mariadeira

O Bairro da Mariadeira vai engalanar-se para a noite mais longa do ano. As expectativas são elevadas e as novidades também, assegurou Rui Baptista: “Na Noitada de S. Pedro, vamos sair com as nossas rusgas, sénior (16 pares) e infantil (12 pares), e actuar nos três bairros centrais (Norte, Sul e Matriz), antes de regressarmos ao nosso bairro para festejar com as nossas gentes. Não vão faltar as tradicionais sardinhas assadas, fêveras e vinho. A animação vai estar a cargo dos Módulo 6, com as suas modinhas poveiras, e depois o Dj B.Lux vai animar os foliões com músicas portuguesas e latinas, até ao raiar do dia”.
linha

Rusga do Bairro Sul

Rusga-do-Sul

O Bairro Sul tem na sua génese o pescador poveiro. Por isso, os arcos das rusgas destacam a Lancha Poveira e a sardinha a pingar no pão, que nunca falta nas noites dedicadas ao S. Pedro. São sete as marchas que vão percorrer as ruas e os palcos, ensaiadas por Luísa Couto. O Leões da Lapa vai apresentar a rusga dos casados, a rusga sénior e a rusga infantil/juvenil.
linha

Rusga do Bairro de Regufe

Rusga-de-Regufe

No Bairro de Regufe, inovação é a palavra que melhor define o espírito com que se vive o S. Pedro, ou não fosse o Farol o símbolo maior do bairro que se veste de verde e vermelho. Este ano, as novidades são muitas, adiantou o presidente da agremiação, Sérgio Ferraz: “Tudo está a ser organizado em torno do tema deste ano, ‘São Pedro no Mar da Póvoa’, que dá nome à marcha. Vamos ter iluminação nova, inclusive numa rotunda que faz parte da área geográfica do bairro. Requalificamos os arcos e vamos apresentar um trono de qualidade, como é apanágio em Regufe. Vamos ter duas rusgas, sénior (20 pares) e infantil (16 pares), e, pela primeira vez, no ensaio de apresentação, tivemos que deixar gente de fora. É sinal da vitalidade do bairro e da vontade que existe em integrar as nossas rusgas”.

Leia a notícia completa na edição impressa.